segunda-feira, novembro 30, 2009


Orquidea Brassia


Marcadores:
Fonte: Wikipedia
Fonte: Paizagismo Digital

Brassia caudata

Orquídea , Brássia.

Código: BRCA.Tipo: Planta (Tipo: Herbácea Herbácea).
Sinonímias: Brassia lewisii Rolfe, Brassia longissima var. minor Schltr., Epidendrum caudatum L..
Família: Orchidaceae.
Altura: 0,45 m.
Diâmetro: 0,4 m.
Ambiente: Meia-sombra.
Solo: Fértil, Humoso, Xaxim/ fibra de coco.
Clima: Tropical de altitude, Tropical, Tropical úmido.
Origem: América do Sul, América Central, Brasil.
Época de Floração: Outono, Primavera.
Propagação: Sementes, Divisão da planta ou touceira.
Persistência das folhas: Permanente.
Obs: Prefere ser plantada sobre os galhos de uma árvore. As sementes levam alguns anos para atingir o porte adulto.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Wikipedia:Como ler uma caixa taxonómicaComo ler uma caixa taxonómica
Brassia
Brassia arcuigera
Brassia arcuigera
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Liliopsida
Ordem: Asparagales
Família: Orchidaceae
Género: Brassia
Espécies
ver texto
Commons
O Wikimedia Commons possui multimedia sobre Brassia
Wikispecies
A Wikispecies tem informações sobre: Brassia

Brassia é um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceæ) e à subtribo Oncidiinae. Foi descrito pelo botânico inglês Robert Brown em Hortus Kewensis; The second edition 5: 215, em 1813, usando a Brassia maculata, que fora recentemente coletada na Jamaica, como espécie tipo. A maioria das espécies produz flores de perfume agradável, especialmente durante as horas quentes do dia.

Índice

[esconder]

[editar] Etimologia

O nome deste gênero é uma homenagem a William Brass, cujo nome latinizado é Gulielmus Brassus, um inglês, ilustrador de botânica do século XIX.

Nome comum :

  • Orquídea Aranha, assim denominada por sua forma singular.


[editar] Distribuição

Inclui cerca de 30 robustas espécies de crescimento simpodial algo ascendente e aéreo, epífitas, encontradas nas selvas húmidas e sombreadas das montanhas da América do Sul e América Central e mesmo na Flórida, em altitudes inferiores a 1500 m. Há registros da ocorrência de onze delas no Brasil. São plantas de fácil cultivo desde que em ambientes mais ou menos quentes e com alta umidade.

[editar] Descrição

O gênero caracteriza-se por apresentar rizoma algo alongado e ascendente, pseudobulbos robustos, ovóides ou elípticos e alongados, em regra bastante comprimidos lateralmente, raro mais arredondados e curtos, guarnecidos quando jovens por baínhas foliares dísticas, com até três folhas grandes no ápice, elíptico lanceoladas, herbáceas.

A inflorescência brota das axilas das baínhas basais, racemosas, eretas ou arqueadas, com brácteas florais bem pequenas. Podem ser confundidas com Miltonia quando estão sem flores, todavia as Brassia possuem raízes mais grossas e pseudobulbos mais elípticos e chatos, além de em regra serem plantas bem mais robustas com folhas mais espessas e bem maiores.

Suas pétalas e sépalas são longamente acuminadas, livres, todas similares em algumas espécies, em outras com pétalas muito menores que as sépalas e eretas ou curvadas. O labelo, inteiro, lanceolado ou oblongado, é descolado da coluna. Normalmente é liso, mas pode ser verrugoso em algumas espécies. As flores possuem um calo localizado na base do labelo, formado por duas lamelas paralelas algumas vezes com um dente na extremidade, unido ou não às lamelas. Por vezes a observação das variações deste calo é a única maneira de distinguir espécies de Brassia. Este fato torna bastante complexa a correta identificação de algumas delas e ocasionalmente botânicos discordam.

A coluna é bastante curta, com dois lobos laterais carnudos perto da base, que envolvem o começo dos calos do labelo. A antera situa-se no ápice da coluna e comporta duas polínias.

[editar] Taxonomia

Desde a criação do gênero, cerca de oitenta plantas foram classificadas como Brassia. Em 1972 Norris Williams dividiu o gênero em dois removendo a secção da Brassia glumacea para o gênero Ada que é um gênero de transição entre Aspasia e Brassia. Espécies com flores quase sempre muito parecidas com a do último gênero, dele se diferenciam por apresentarem inúmeras folhas dísticas, mais inflorescências por pseudobulbo, e também por apresentarem grandes brácteas florais infladas, ausentes nos outros.

As Brassia são parentes próximas também de Miltonia das quais se diferenciam principalmente pelo fato de na maioria das espécies as pétalas e sépalas de suas flores serem longamente acuminadas ou mesmo caudadas.

A forma e cor do calo é o traço distintivo mais característico de cada uma das espécies.

[editar] Polinização

A sua polinização está relacionada com as vespas fêmeas dos géneros Pepsis e Campsomeris que golpeiam a coluna tentando desprendê-la para a consumir. Ao empurrar o labelo, e como resultado da sua luta, a polínia fica colada à sua cabeça. Então, ao visitar outra flor, a polínea adere ao fundo da coluna na entrada do estigma.

[editar] Espécies de Brassia

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

[editar] Híbridos de Brassia

  • Brassia maculata × Brassia longissima

[editar] Híbridos intergenéricos

Obs.: o trecho seguinte está "compactado" de modo a despoluir visualmente o contexto da página toda.

[editar] Ver também

0 comentários:

Postar um comentário

:a   :b   :c   :d   :e   :f   :g   :h   :i   :j   :k   :l   :m   :n   :o   :p   :q   :r   :s   :t